quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Cap.8 - Bordel



Capitulo 8 Bordel

“A seleção era demorada e bem cruel, tratavam eles como animais, nem animais, como se fossem lixo.
“E por ultimo restou o grupo dos “inúteis” que não estavam servindo para nada, pelo ponto de vista deles, e então eram levados junto aos corpos que não aguentaram a viajem. E logo liguei os fatos:
{-Estão cavando a própria cova! – disse ela sorrindo.
-Como? – perguntei pasma.
-Eles cavam a própria cova para serem enterrados, e quem não tem coragem de fazer isso, são simplesmente exterminados!
-Como assim? – perguntei mais pasma que antes.
-Exterminamos todos que não mais úteis, pela câmara de gás, depois cremamos os corpos.}
“Abaixei a cabeça e Chelle me puxou,  para voltarmos ao dormitório
-Vamos! – disse ela.
-Oque tem que ser feito para ser preso aqui?
-Qualquer coisa que Hitler não goste.
Tudo ali me enojava... Absolutamente tudo!
...
...
“Alguns dias se passaram, nada a fazer, apenas seguir ordens, até que um dia enquanto fazia meu trabalho de rotina fui pega pelos soldados e arrastada, para um lugar, onde nunca havia ido. Chelle tentou me ajudar, mas não obteve sucesso.
“A sala era grande, bege de chão madeira, um lustre enorme pendurado e estantes com livros e mais livros, umas poltronas em frente a lareira e com uma mesinha de centro entre elas, e uma mesa de trabalho, exatamente o tipo de sala que meu pai gostava, e lá havia uma foto dele.
“Na cabeira da mesa, lá estava Srª. Rose, sorrindo de orelha a orelha como se tudo ali a divertisse, oque de fato era verdade.
“No chão havia outra garota, que já a vira vagar pelo campo, mas nunca conversei com ela, amarrada e com a boca calada através de cordas.
-Senhora à trouxemos! – disse um do Soldados que me seguranvam.
- Hum sim! – disse ela sorrindo. – Mostre-a para mim!
-Sim senhora.
“Um dos rapazes me segurou e o outro abaixou minha calça, mostrando minhas partes intimas e a tocando-as com os dedos. E o outro levantou minha blusa e acariciou meus seios.
-É parece que ela está ótima, para uso! – disse o rapaz que verificava minhas partes intimas.
-Seus seios são firmes! – disse o outro.
“Ela me olhou, sorriu e voltou a falar.
-Ela é virgem? – perguntou ela mesmo sabendo a resposta.
“Então o rapaz, olhou para mim e sorriu, introduzindo os dedos em mim, com força, e cada vez mais rápido, me machucando.
-Não houve sangramento, parece que não é mais virgem! – disse o rapaz.
“Ela se divertia com a situação e ver minha cara de impotência, e Hold o cachorrinho de Rose, que me molestou, tirando minha virgindade, sorria maliciosamente e me olhava fixamente como se quisesse um pouco mais.
“Todos os presentes na sala me analisavam, analisavam... Discutiam sobre o assunto que eu não entendia, e por fim definiram oque fariam.
-Será o trabalho perfeito para ela! – disse Rose sorrindo para mim. – Podem leva-la.
“Os rapazes me amarraram junto a outra e me amordaçaram também, e nos duas fomos levadas, para um outro lugar, que era quente, abafado e onde havia várias outras mulheres.
-Novas amiguinhas pra vocês. – disse o soldado ao nos deixar.
-Vamos desamarra-las. – disse uma das mulheres, que parecia ser uma líder.
“E então fomos soltas, a menina junto a mim chorava, e eu não entendia, motivo de uma pergunta.
-Onde eu estou? – perguntei.
-Você não sabe? – perguntou a mulher pasma.
-Não! – afirmei.
-Te trouxeram a força?
-Sim! – afirmei novamente.
-Nojentos! – disse ela se levantando e estendendo a mão para mim. – Eu me chamo Karla.
-Loren!
-Eu gostaria de lhe disser para ser bem vinda, mas num lugar como este, não dá!
-E onde estamos?
-Em um bordel!”
Fechei o diário cansado, afinal já era 4 horas da manha e daqui 2 horas teria que levantar, tomei um chá, larguei o caderno no sofá e  fui para a cama!
...
...
Capitulo 9 – Noites
Apesar do clima festivo, nada ali tinha que se comemorar...
...

Nenhum comentário :