sábado, 27 de outubro de 2012

Cap. 4 – Visitante



Capitulo 4 Visitante

Virei a página e continuei lendo, lendo e lendo, sobre a crueldade de Rose e da horrível história de Loren.
Rose havia matado o pai dela e acabou tendo posse de tudo que era dele, e passou a ter posse de Loren, para o azar dela, e foi a partir dai que a vida de Loren virou um verdadeiro inferno!
Ao bater  o sinal, peguei o diário e o coloquei na mochila, e fui para casa, onde me joguei no sofá e peguei ele para lê-lo e dessa vez até o final.
...
...
“Olha se não é o meu amiguinho novamente!”
“Não enrola Loren, e me mostre as outras páginas”
“Sim senhor!”
Eu estava tão obcecado em saber o final daquele diário, que agora nada mais importava, só lê-lo até o final.
“Anos se passaram e eu fui crescendo até chegar a minha adolescência, eu havia mudado e muito, não só de corpo mas de jeito também, agora eu era muito mais madura e sabia me defender, mas geralmente isso não dava certo.
“Rose, continuou a mesma mulher de sempre, o demônio em pessoa.
“Uma das vezes em que discuti com ela, o final pra mim não foi nada agradável.
-Cala a boca garota, e faça o que eu mando! – ordenou ela me puxando da cama.
-Eu já disse que não irei pra porcaria de jantar nenhum. – rebati.
-Ah você vai, sim! – ela me puxou pelos cabelos e me jogou no chão.
-Me bate, faz oque você quiser, nada me fará ir com você! – disse orgulhosa e sorrindo.
-Parece que você esqueceu quem eu sou!
-Mas é claro que não! Você é a puta, vadia da Srtª. Rose!
-Menina, você passou dos limites!
“Ela saiu do quarto, e eu voltei para a cama, mas não demorou muito e ela voltou com um soldado, e cochichou ao seu ouvido, algo que eu não pude ouvir, mas ainda sim mantive o sorriso no rosto.
-Espero eu ainda seja virgem, para que doa mais! – falou ela, com ódio para mim.
“O soldado Hold, veio em minha direção, e abriu minhas pernas com força, meus olhos se arregalaram, ele era forte e eu não consegui detê-lo, seus olhos me comiam maliciosamente, e então ele introduziu em mim, com força e sem dó alguma, eu sangrava, gritava e chorava de dor. Mas nada o impediu, para parar.
“E quando ele por fim parou, tirou-o de dentro e continuou a massageá-lo até me banhar com o liquido viscoso, me beijou a força, e depois me largou no quarto, e eu cai na cama exausta.
“E não demorou para a madame voltar ao quarto.
-Nunca mais me desobedeça!
-Eu não vou a jantar algum!
-Mas é claro que não! Nesse estado e fedida desse jeito, nem eu a quero por perto.
“Logo fui deixada no quarto, e desabei a chorar, chorar, chorar ...
“Não demorou muito e os empregados de casa já estava no meu quarto, todos assustados.
-Oh Loren, oque ela fez contigo! – falou a nossa cozinheira.
-Não se preocupem, sumam daqui antes que ela saiba! E vocês estarão com problemas! – disse com a voz fraca.
-Ela saiu, para o tal jantar! Vamos ficar bem! – disse a Jaqueline a faxineira. – E mesmo que tivesse, eu não negaria ajuda, pra quem nos ajuda tanto!
-Vamos, vou lhe dar um banho. – falou a cozinheira.
-Eu cuido das roupas e a sujeira, com a Laura. – falou Jaqueline.
-Eu sinto muito! – disse Hulf, ao me pegar no colo.
-Obrigada gente - disse quase desmaiada de tão mole.
“Hulf me levou até o banheiro, a Cler me deu um banho, e os outros limparam o quarto. Mas depois dessa ouve, outras vezes, e como para rose já não era o suficiente, as vezes eram 2 ou 3 soldados de uma só vez.
“Mas eu nunca abaixei a guarda.
...
“Alguns messes depois Rose me convidou para ir visitar os campos de concentração, onde meu pai vivia trabalhando, e onde eu sempre tive vontade de ir, e então não podia perder a oportunidade.
“E fui para uma visita sem reclamar.
...
...
Capitulo 5 – Visitante (parte 2)
Oh Rose, Rose, Rose, Rose querida!
...

Nenhum comentário :