quarta-feira, 11 de julho de 2012

Cap.1 - O cara de capuz



Capitulo 1 O cara de capuz.

Depois de ficar atrás de Darren durante uma semana inteira, e como havia suspeitado, ele era um ser insignificante, então decidi deixa-lo de lado e seguir para a próxima pessoa, Christian Felp, melhor amigo de Darren, acho que com o Chris conseguirei mais diversão.
Deixei passar os dias e depois voltei ao trabalho, aproveitei que não estava tendo aula, acordei bem cedo e fui para uma cafeteria tomar um Cappuccino e esperar pelo Darren e Chris que se encontravam todo dia pela manha.
E como marcado  os dois entraram juntos e conversaram, peguei uma mesa mais perto para poder ouvir a conversa:
-Bom, como combinado, está aqui! – disse Darren entregando um envelope.
-Obrigado, August ficará muito grato. – respondeu Christian.
-Devemos isso a Margarete! 
-Com certeza!
Do que será que se tratava aquela conversa? Fiquei me mordendo de curiosidade para saber o assunto todo, mas para isso precisava do August. Nossa que confusão  que  consegui encontrar. Parece que esse será um dos melhores casos que já esbarrei, e que com certeza envolve mais pessoas.
Os dois continuavam a conversar, mas assuntos aleatórios, mesmo assim fiquei  atento a conversa, mas oque será que Margarete tinha a ver com aquilo?
Logo depois de muita conversa os dois retornaram ao mesmo assunto:
- Darren mais uma vez muito obrigado!
- Foi nada cara! Mas posso lhe contar um segredo?
-Claro!
-Mas não conte a ele.
-Diga então.
-Parece que o filho dele está de volta.
-O filho? Como assim? Ele tem um filho?
-Tem sim, e recentemente souberam que ele está por aqui.
-Mas eu nem sabia que ele tinha um filho.
-Ele o abandonou!
-Porque?
-Foi preciso. Mas chega desse assunto, temos que tomar cuidado, as paredes tem ouvidos.
Os dois se despediram e o Darren mencionou que iria agora mesmo encontrar com August. E logo eles deixaram o local.
Como estava entretido no caso, não quis deixar de lado, e segui Christian.
Ele saiu caminhando, mas atentamente sempre olhando para os lados e com o envelope envolto dos braços, ele seguiu pela avenida principal, e depois foi para um parque, o atravessou e chegou até a casa de madame Sofi, viramos na rua a direita, era incrível como ele ainda não havia percebido minha presença.
Seguimos em frente até chegarmos em um prédio  bem velho, quando ele ia entrar, ele esbarrou com um rapaz alto moreno, de olhos castanhos, que por sinal era August.
Os dois começaram a conversar, tentei me aproximar mas daria muito na cara, e como estava próximo fingi estar tentando ligar para alguém, o Cristian o entregou o envelope e logo ele entrou para o edifício, e Chris lhe deu um grito:
-Tome cuidado!
Fiquei distraído de mais com os dois, que nem percebi que Chris vinha em minha direção, tentei me virar para escapar dali mas ele me chamou.
-Ei rapaz... – gritou ele e com receio me virei. – Percebi que está meio confuso, está perdido?
-Ah sim, ainda bem que mencionou. – entrei no jogo dele. – Sabe como chego na Times Square?
-Ah essa é fácil, é só seguir reto essa rua que logo vera uma placa indicando o caminho.
-Nossa muito obrigado, bom deixa eu ir, estou atrasado.
-Vá com Deus!
Me virei e segui reto disfarçadamente, e assim que Christian virou a esquina me encostei no poste na outra esquina e esperei por August, que logo saiu atrasado.
Ele passou por mim e então o cumprimentei:
-Boa tarde!
-Boa tarde garoto! – correspondeu ele.
Mas logo saiu em disparada para uma rua mais tranquila, ele corria e eu tentava o acompanhar sem que ele me vise, andei o mais rápido que pude e em uma rua um pouco parada ele entrou em um teatro abandonado, e agora eu não podia mais fazer nada.
Com tanta vontade de resolver isso, com curiosidade de descobrir esse segredo, decidi voltar para a casa de August para anotar o endereço, então fiz o mesmo caminho e consegui encontrar o prédio anotei o nome da rua e o numero do prédio eu só não sabia o apartamento.
Mas mesmo assim eu sentia que isso não era suficiente, não sei porque mas algo me dizia para seguir em frente e buscar novas pistas. Me sentei na calçada e pensei em todos os detalhes. Foi então que lembrei que August não avia levado o envelope com ele.
Foi então que veio uma ideia repentina de entrar na casa dele e tentar encontrar esse tal envelope, mas com certeza eu não faria isso...
Mas quando dei por mim já estava fazendo. Entrei no hall do prédio e fui pegar informações com o porteiro:
-Com licença senhor, mas por favor sabe me informar o apartamento do August.
-Claro! É o 24. – disse o velho distraído, mas percebeu que havia falado demais, e então tentou pegar alguma informação. - Mas quem é o senhor?
-Um amigo! – ele ficou mais aliviado com a minha resposta.
-Então ele acabou de sair agora, e só volta depois das 11 da noite ou até mais.
-Não eu sei! –menti. – É que ele me deixou um documento para levar ao meu chefe, ... – comecei a inventar algo nada a ver. – Mas eu tinha esquecido o numero do apartamento. Obrigado, e mande um abraço para ele por mim!
-Foi nada senhor!
Subi as escadas e fui para o apartamento número 24, que ficava no segundo andar. Ao chegar na porta peguei um clips e consegui destranca-la. Ao entrar encostei aporta devagar, era a primeira vez que estava fazendo aquilo, e parece que deu certo pois não avia ninguém em casa:
-Quem é você? – suou uma voz feminina atrás de mim, me fazendo tremer.
...

...
Capitulo 2 – Elisa

~.~

Um comentário :

Cadu C disse...

Demais, tomara que ele não se dê mal =O